O país

Brasil, oficialmente República Federativa do Brasil, é o maior país da América do Sul e da região da América Latina, sendo o quinto maior do mundo em área territorial (equivalente a 47% do território sul-americano) e população (com mais de 200 milhões de habitantes). É o único país na América onde se fala majoritariamente a língua portuguesa e o maior país lusófono do planeta, além de ser uma das nações mais multiculturais e etnicamente diversas, em decorrência da forte imigração oriunda de variados cantos do mundo.

Fonte: Wikipedia.

As religiões

A Constituição prevê liberdade de religião ou seja, proíbe qualquer tipo de intolerância religiosa e a Igreja e o Estado estão oficialmente separados, sendo o Brasil um país secular.

Em outubro de 2009 foi aprovado pelo Senado e decretado pelo Presidente da República em fevereiro de 2010, um acordo com o Vaticano, em que é reconhecido o Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil. O acordo confirmou normas que já eram normalmente cumpridas sobre ensino religioso nas escolas públicas de ensino fundamental (que assegura também o ensino de outras crenças), casamento e assistência espiritual em presídios e hospitais. O projeto sofreu críticas de parlamentares que entendiam como o fim do Estado laico com a aprovação do acordo.

Em 2000, a religião católica representava 73,6% do total no país. Em 2010, era 64,6%, sendo observada pela primeira vez a redução em números absolutos (de 124 980 132 para 123 280 172). Ainda assim, o perfil religioso brasileiro continua tendo uma maioria predominantemente católica (42,4% a mais que a segunda maior religião do país, o protestantismo). De acordo com o censo de 2010, entre os estados, o Rio de Janeiro apresenta a menor proporção de católicos, 45,8%; e o Piauí, a maior, 85,1%. Já a proporção de evangélicos era maior em Rondônia (33,8%) e menor no Piauí (9,7%).

Fonte: Wikipedia.

O projeto

india-menina-segurando-passarinhoOs povos indígenas no Brasil incluem um grande número de diferentes grupos étnicos que habitam ou habitaram o território brasileiro, cujas raízes remontam às Américas desde antes da chegada dos europeus a este continente – em torno do ano de 1.500.

No ano de 1.900 havia 500.000 índios divididos em 230 tribos, mas agora estima-se que haja 260.o00 em mais de 200 tribos; este número continua diminuindo devido à invasão dos povos colonizadores – perda de terras e doenças.

Tribos Indígenas Brasileiras é um projeto onde com muito carinho tem apoiado os indígenas brasileiros. Com diversos nativos, várias aldeias como Água Branca, Ticuna e Região do Alto Solimões estão conhecendo o verdadeiro Deus. Cada indígena salvo em Jesus tem a liberdade de levar toda sua aldeia a conhece-lo também. Como líderes em campo tempos o pastor Luciano Vicente e também José Vicente; em base está o cooperador Gesiel Melo.

Os líderes

Evangelista Gesiel Octávio de Melo (líder em base)

Gesiel e Patrícia

Gesiel Octavio de Melo, nascido em um lar cristão, filho do pastor Carlos José de Melo (presidente da VEMBRASIL) e de Roselena Antonieto de Melo, tem 3 irmãos e 1 irmã. Sempre na companhia de seu pai nas obras missionárias, sentiu o chamado para fazer missões. Em fevereiro de 2014 casou-se com Patrícia Araújo Florêncio de Melo, líder em base do projeto Cuba.

Possui curso superior incompleto de Análise e Desenvolvimento de Sistemas, atualmente cooperador da Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Ministério Missão (Pirassununga, SP). É empresário no ramo de roupas, através da mesma apoia diversas famílias no campo missionário.
Desde o ano de 2009 é líder em base do projeto Tribos Indígenas, começou com 1 missionário no Amazonas e hoje ampliado para vários estados dentro do Brasil.
Com um chamado de Deus para a obra missionária, apresenta o trabalho em diversas igrejas na busca de ajuda para os missionários.

Manfred (líder em campo)

Manfred
Meu nome é Manfred, os índios Guarani-mbyá me deram o nome “Karaí Puku Manfredo”. Karaí é um nome bem comum entre o povo e Puku significa “alto”. Sou missionário há 30 anos e os últimos 15 anos atuo entre os povos indígenas no sul do Brasil.  Tenho 58 anos e estou casado há 31 anos com Helga e temos três filhas adultas. Moramos na cidade de Laranjeiras do Sul (PR) proximo da maior terra indígena do Paraná com 3.400 índios. Sou formado em teologia, tenho mestrado em missíologia pelo CEM (Viçosa, MG) e doutorado em ministério pela FTSA (Faculdade Teológica Sul Americana) de Londrina.
O povo guarani-mbyá há 10 anos tem a Bíblia em sua língua, mas ainda há poucos crentes em Jesus. Tem 110 aldeias no sul do Brasil, em 80 deles não possui nenhum crente.
Precisamos mais missionários e estamos investindo no treinamento de lideres e missionários guaraní.

José Vicente de Carvalho (líder em campo)

José Vicente e esposa

José Vicente, professor em missões desde 1998, com formação bíblico-missionária inicial (a partir de 1995) no Instituto Bíblico Peniel, da Missão Novas Tribos do Brasil, com minha esposa Ana Maria, que teve essa mesma formação, além de ter sido professora na rede pública de ensino de MG. Formado profissionalmente em engenharia agronômica na UFViçosa, exerci a profissão por 11 anos, também trabalhando no comércio por cerca de 2 anos. Nasci em Três Corações, MG, em 1959. Eu e Ana temos um casal de filhos, a mais velha missionária de campo, com seu marido e filha, entre o povo indígena Kaiwá, MS.

Atuamos ministerialmente em missões interculturais (transculturais) na missão Horizontes desde 1998 e na VEM Brasil ajudando praticamente desde seu início. Para isso tenho feito diversos cursos na área missiológica e antropológica, entre eles: pós-graduação em Educação, Diversidade e Cultura Indígena; Missiologia (antropologia cultural) e Lingüística; Contextualização; e outros.

Embora continue lecionando na formação de missionários para a chamada Janela 10-40 e no preparo e acompanhamento de pessoas para o apoio logístico a missões interculturais, há alguns anos tenho dedicado maior tempo ao ensino bíblico e antropológico aos irmãos indígenas missionários e pastores, nos próprios campos indígenas (aldeias) onde a igreja vai se multiplicando e nos diversos centros de preparo desses indígenas em diversas organizações em todo o Brasil, sob orientação do CONPLEI (Conselho Nacional de Pastores e Líderes Evangélicos Indígenas) e DAI (Depart. de Assuntos Indígenas da AMTB – Assoc. de Missões Transculturais do Brasil). Também participo do acompanhamento de alguns missionários nesses campos e fora do Brasil através da Rede de amigos por missões e DOCI Ide, que ajudamos a começar e participamos.
Sou membro da Assoc. de Professores de Missões do Brasil (APMB).

André Luís Procópio (líder em campo)

André Luís Procópio
Tenho 36 anos, natural do Rio de Janeiro, casado há 10 anos com Marcelle Gomes Aureliano,  tenho dois filhos: Samuel (7 anos) e Marissol (02 anos). Somos missionários há 8 anos e estamos no campo entre os indígenas desde o ano de 2009.
Médico por formação profissional, mas tenho também formação missionária, no curso de missão integral no Centro Evangélico de Missões – Viçosa – MG. Além disso sou formado em linguistica pela ALEM (Associação Linguistica Evangélica Missionária)  e atualmente coordeno os missionários indígenas do projeto Amanajé, além de ser o coordenador do Projeto de Aldeia em Aldeia e estou na liderança e pastoreio aa Igreja Evangélica Indígena do Areal em São Gabriel da Cachoeira.
Translate »